Relação das mulheres com o poder do salto alto

Ninguém sabe quem criou o salto alto. As primeiras aparições dele datam no século 17 na França na corte do Rei Luis XIV. Os registros históricos apontam que o rei tinha menos de 1,60m de altura e por isso ele adorava o salto alto.

salto altoQuem realmente levou a fama foi seu filho e sucessor Rei Luis XV, que não só levou a fama, mas o salto que ele usava recebeu o seu nome, o salto Luis XV que é largo na ponta e na base e afinado no meio. “O salto era peça exclusiva do vestuário masculino e apenas na corte de Luís XV passou a ser utilizado por mulheres”, diz João Braga, coordenador do curso de história da moda do Senac, em São Paulo.

“Estudos indicam que o salto alto é o elemento que mais desperta a libido e o fetiche nos homens, seguido pelas meias finas”, diz o professor.

Hoje em dia, o salto alto não representa apenas a nobreza. Os saltos remetem à sensualidade, independência e empoderamento da mulher, ressaltando seios, pernas, quadril e bunda. Para comprovar o que estamos falando vejam essa nova análise. No Archives of Sexual Behavior revelou que em seus resultados, os saltos nas mulheres influenciam e alteram a percepção dos homens. Indica ainda que homens fazem julgamentos de personalidade baseados no sapato que a mulher está usando.

O sociólogo Nicolas Guéguen, da Universidade de Bretagne-Sud na França, constatou que os homens são mais solícitos com as mulheres de salto alto do que com aquelas que estão com sapatos baixos. Inclusive o tamanho do salto influencia no comportamento dos caras. Guéguen comprovou isso fazendo um experimento. Ele colocou mulheres de salto alto e sapatos baixos para entrevistarem pessoas aleatórias na rua. Tipo aquelas pessoas que param você perguntando se você pode responder um questionário “rapidinho”. Em seguida ele analisou os surpreendentes resultados. Apenas 46% dos homens estavam dispostos a participar de uma pesquisa, quando perguntado por uma mulher de sapatos baixos. Mas quando uma mulher de salto fazia a abordagem, a taxa de adesão sobre para nada menos que 83,3%.

A hipnose do salto alto

Em um segundo estudo que envolveu 180 mulheres e 180 homens, o sociólogo também verificou que mulheres parecem ser imunes ao sapato de salto de outras mulheres, mesmo que secretamente a estejam julgando. No experimento social, uma mulher de salto deixou cair uma luva, em outro momento uma mulher sem salto deixou o lenço cair. A porcentagem das mulheres que ajudaram permaneceu quase a mesma. Já os homens reconheceram claramente que uma mulher de salto teria que se curvar mais. Desse modo estiveram propensos a ajudá-las 93,3% do tempo. Já quando os homens viram uma mulher em sapatos baixos, mostraram disposição para ajudar em apenas 62% do tempo.

O terceiro estudo foi um pouco mais preciso. Cronometraram quanto tempo levou para um homem conversar com uma mulher de salto ou não em um bar. 36 jovens do sexo masculino em mais de 3 bares, demoraram 13 minutos para falar com uma mulher de salto alto. Contra 7 minutos para falar com uma mulher em sapatos baixos. Isso dá uma prova científica de que os saltos alteram a percepção dos homens. Uma mulher de salto alto passa uma imagem de mais poderosa e independente. E isso intimida mais do que quando sem salto.

O estudo revela que um belo par de saltos é capaz de hipnotizar e influenciar as atitudes dos homens. Então já sabem mulherada, subam no seu melhor salto e dominem o mundo e os homens, brincadeirinha hehehe sqñ! – #dicadarainha

Fontes: science20,

Reinaldo Espada

Editor e Redator da Revista Swing, aficcionado em filmes, super antenado em novidades tecnológicas, adora casas de swings e encontros liberais. Forma um casal liberal com a Raissa Espada sua esposa CRS 43965 .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *