O que fazer com aquela brochada durante um swing?

É fato que homem tem seu orgulho ferido quando dá aquela brochada e seu companheiro de batalha se mostra indisposto. sem vontade de lutar um bom combate, e apresenta a síndrome da borracha mole. Isso é tema de várias conversas em fóruns de discussão, conversas entre amigos e mais.

Muitos homens sentem vergonha quando acontece algum episódio de disfunção erétil no ato da transa. Tudo bem e não é para menos. Afinal de contas é quase uma regra social o homem estar com a rola sempre a postos e pronta para um engajamento virílico (risos) quando solicitado. E essa regra tola, está muito enraizada na cabeça dos homens e mulheres. Quando isso acontece eles tendem a se auto-depreciarem internamente. Pois quando pequenos as figuras masculinas da família glorificam à pau-deurecência. São treinados a sentirem orgulhos de seus membros e de suas ereções.

E quando juntos em bandos. Sempre ouvem histórias depreciativas sobre homens que não conseguiram em algum momento ter a ereção. Falhando ao gerar prazer para a parceira. E nomes como frouxo, mole, ruim de cama, meia bomba acabam tornando-se sinônimo de castigo. Tanto castigo psicológico quanto moral empregado a todo aquele que falhar. Isso é repetido muitas e muitas vezes, pelos próprios homens do convívio. Resumindo, essa zoação como forma de castigo para a brochada é o que molda o sentimento de frustração de muitos homens.

Mas o que é  ficar de pau duro? Ficar de pau duro é um estado de espírito, não apenas a representação da sua vontade. Não demanda apenas sangue sendo bombeado do coração em direção à rola. Pois isso já acontece (caso contrário essa porra já tinha ficado roxa e necrosado). É muito mais que isso, assim como para a mulher, para que o homem fique excitado é preciso entrar em estado de relaxamento. É preciso sentir-se seguro, seja do ambiente ou da situação e haver o estímulo sexual. Seja ele auditivo, gustativo, olfativo, visual, ou físico e não apenas vontade.

Estado de relaxamento

É permitir que o seus processos psicológicos e fisiológicos tornem-se parte de um único processo que é o relaxamento e para isso é necessário que você foque na calma, na redução das tensões psicológicas e tente relaxar os músculos. Notem que quando há algum problema no trabalho que está te afligindo ou até mesmo aquela conta que está vencendo hoje, isso é refletido no desempenho de subida da sua rola, e quando você está com dor muscular, dependendo da gravidade do que está te deixando tenso, o peru nem sobe, então esqueça de tudo, esteja sem dor e foque no sexo.

Sentir-se seguro

Para algumas pessoas pode ser estimulante não estar seguro. Pois não se sentir seguro, afeta diretamente nosso sistema nervoso. E fisiologicamente nosso corpo libera quantidades absurdas de adrenalina alterando o estado de atenção. Instintivamente o corpo responde aumentando o fluxo sanguíneo nas regiões das pernas braços e cabeça, ai você pergunta, mas para quê? Simples, para pensar e enxergar melhor e para correr ou lutar contra o perigo. Mas veja bem, se o seu cérebro está priorizando sangue para as partes do seu corpo que serão usadas na fuga ou luta, e você não se excitou com isso é claro que vai faltar fluxo para a piroca e ela não vai subir.

Estímulos sexuais

Sobre os estímulos sexuais, vocês já devem ter muitas idéias safadinhas para isso. No entanto com o tema disfunção erétil ( brochada ) essas suas idéias devem ser colocadas em prática sempre. Um bom estímulo sexual pode ser a parte da equação que resulta em muito sexo.

Audição

Concentre a sua atenção ao estímulo em si, se você é alguém que gosta de ouvir, ouça os gemidos, as putarias ditas, concentre-se nos sons da pele com pele, no som das chupadas. Se você gosta de sabores, concentre-se no sabor da boca, dos seios, da brochadabucetinha, da rola, do cuzinho, não importa, mas concentre-se.

Tato

Estímulos como os toques em partes pouco tocadas costumam ser muito afrodisíacos ou fazerem cócegas.

Olfato e Visão

Têm também os odores específicos como o cheiro de perfumes e odores naturais das regiões intimas. O odor do sexo e do gozo também podem funcionar tanto quanto aquela bela lingerie, ou aquelas belas curvas, entre outros apelos visuais.

Mas fisicamente, um boquete gostoso, quentinho, babado, pode colocar o soldado de pé e pronto para a luta. Talvez você pode preferir levar alguns tapas. Ter o corpo acariciado por inteiro. Sentir textura de pele. Arranhões com as unhas ou outros, mas o que importa é haver o estímulo sexual.

Legal. Você está lá no meio daquela muvuca, não importa se você é single ou parte de um casal, e percebe que seu amiguinho não quer subir. Já foi dito como o homem é condicionado na sociedade, e você está lendo até aqui pelo título da matéria. Então já é sabido que você vai continuar lá no meio da muvuca de pau mole sem querer desistir de jeito nenhum, né? Mantenha o bom senso. Não torne-se um incômodo para os demais participantes. Porém se você perceber oportunidades, aproveite-as. Então seguem algumas sugestões para driblar a brochada.

A dona sabe melhor

Lá está você no meio do começo de um swing, sua mulher sendo quase devorada. Mas você está sentindo a piroca brochada. Uma boa estratégia é ter já combinado com sua amada uma assistência para esses casos. As vezes o nervosismo pode influenciar e como a dona sabe o que fazer. Ela pode te deixar em ponto de rocha.

O articulado

Ainda não tá pronto, e a putaria já está rolando, faça sexo oral com vontade na parceira, se você não acha que seu pau vai subir tão cedo, não fique chateado, você ainda tem língua e dedo, e é capaz de fazer qualquer mulher gozar com eles.

O paparazzi

Se você não está conseguindo ficar de pau duro, não se desespere, pegue a câmera fotográfica e se esforce em tirar as melhores fotos e ângulos dos participantes, se você for um cara visual, talvez fique excitado com isso e o meninão acorde.

Mas a verdade é que é mais inteligente tentar manter um relacionamento de amizade com o casal. Caso acontecer uma situação dessa, vocês ainda poderão dar boas risadas, descontrair e tentar novamente.

 

Curtiram a matéria então compartilhem, isso está ajudando muito

 

Reinaldo Espada

Editor e Redator da Revista Swing, aficcionado em filmes, super antenado em novidades tecnológicas, adora casas de swings e encontros liberais. Forma um casal liberal com a Raissa Espada sua esposa CRS 43965 .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *