O que é Dogging – O passeio noturno do prazer

O Dogging surgiu nos anos 70, quando um jovem casal inglês que resolveu ceder ao louco desejo de fazer sexo. O motel estava caro, a casa dos pais dos jovens não era o lugar. A dificuldade para achar um bom local, associada ao desenfreado desejo, fez com que o casal cedesse ao impulso de fazer sexo ali mesmo dentro do carro, em plena cidade.

O casal percebeu que o sexo naquelas condições tão adversas, ao contrário do que se poderia esperar, aumentou muito o nível de excitação e prazer. O medo de ser descoberto… o prazer de transgredir regras sociais… a aventura do proibido… toda a situação mesclou altas doses de Oxitocina e Adrenalina. Assim, começou o Dogging no mundo.

O Dogging é um fetiche que tem sua origem no aprofundamento do Exibicionismo. E tem como sua evolução em maior grau o Gang Bang. Ou seja, o Dogging é mais pesado que o Exibicionismo e mais leve que o Gang Bang.

Imagine aquele casal exibicionista, que adora sexo no mesmo ambiente e também curte se exibir na internet. Agora, imagine se esse mesmo casal quisesse viver uma experiência de exibição um pouco mais arriscada, dentro de seu carro, nas ruas e estacionamentos. Esse seria o Dogging.

dogging-inglesEles pegariam um carro, e em meio à madrugada buscariam um lugar vazio, mas não abandonado, para fazer sexo, se exibir para passantes podendo evoluir para a permissão dada à estranhos de participação leve, tais como passar a mão, se masturbar ou serem masturbados e até sexo oral. Ou ainda, em níveis mais avançados, a permissão dada ao estranho de completa participação do ato sexual do casal.

Em algumas cidades existem locais próprios ao Dogging, em que todos do meio sabem que ali se costuma praticar o fetiche. Assim como uma praia de nudismo, esse locais não são oficializados, apenas são de conhecimento geral. E assim, no boca a boca, o local e o fetiche vão ganhando fama.

A fama do fetiche foi tamanha que até mesmo atores famosos acabaram sendo flagrados praticando o fetiche. E claro que a mídia não aliviou o escândalo. Mas, isso acabou tendo efeito reverso sobre os jovens. O proibido ganhou dimensões continentais, e foi exportado para todo o mundo.

Pais com orientação educacional mais severa e a baixa renda dos jovens foram fatores que impulsionaram ainda mais a prática desse arriscado fetiche. Em muitos países, a prática desse fetiche é contra a lei, pois fere o pudor público. No Brasil, o código penal prevê o ato obsceno em local publico como crime.

A questão é que quanto mais o fetiche é condenado por pais, autoridades, legislação, associação de moradores, maior a intensidade de prazer de quem desafia todas esses obstáculos. Daí a dificuldade de se coibir tal prática.

Os jovens abominam a figura da autoridade. E sentem adrenalina em desafiar qualquer ordem. Seja educacional, religiosa ou até mesmo legal. O barato está justamente em fazer das ruas sua própria casa e subverter qualquer regra moral.

Mas, não pense que com isso, o Dogging é a estampa sexual da Anarquia. Nesse fetiche, existem regras própria bem claras. É como um código interno entre praticantes. Claro que ninguém escreveu essas regras. Mas, ainda assim, elas existem e são claramente entendidas por quem busca essa forma de prazer.

Assim, no Dogging, chegado ao local público onde se costuma praticar o fetiche, o casal que acender a luz interior do veículo, estará dando o sinal de consentimento para aproximação de estranhos que desejem assistir o ato sexual do casal.

Ainda dentro desse código, o casal que abaixar o vidro da janela do carro, estará autorizando que os estranhos que estejam assistindo ao ato, possam passar a mão no corpo dos praticantes.

Em um nível mais avançado do fetiche, existem os casais que abrem a porta do carro, como simbologia que autoriza a participação do estranho no ato sexual do casal no interior do carro.

Em última análise, o Dogging permite a perfeita aproximação de casais exibicionistas com pessoas adeptas ao Voyeurismo. E essa prática conduz os impulsos de ambos os polos em direção ao êxtase sexual pleno.

O tipo de cumplicidade que é gerado entre os participantes é algo valioso numa relação. Afinal, qual casal não gosta de ter boas histórias vividas juntos? Isso faz parte das boas páginas sexuais que todo casal liberal e verdadeiramente cúmplice gosta de ter em suas memórias.

Aos casais curiosos que desejem experimentar essa prática, recomendamos antes, viver a fase do exibicionismo simples, vivido através de sexo no mesmo ambiente, exibição pela internet por fotos, vídeos ou até em transmissão ao vivo pela câmera, antes de dar o próximo passo.

Passada a fase de exibição, o Dogging é a evolução natural. Procura identificar com outros praticantes, os locais de sua cidade mais comuns à essa prática. Geralmente são parques, estacionamentos, praças. Por fim, organize virtualmente um encontro, com o data, local e hora em que pretendem por em prática o Dogging. Comecem convidando perfis virtuais de mais confiança. Deixem os completos estranhos para uma fase posterior.

LOCAIS  DA PRÁTICA DO DOGGING EM SÃO PAULO:

IBIRAPUERA

Existem 3 locais de exibição dentro do Parque do Ibirapuera,

O primeiro fica bem na entrada, conhecido como danoninho. Lugar muito movimentado e frequentado não só por casais.

Os outros 2 pontos ficam dentro do Parque, lembrando que o Parque fica aberto até a Meia Noite e reabre às 5 da manhã, os melhores horários

O Estacionamento da Marquise não há muitos Voyeurs, local ideal para encontrar outros casais, mas sempre lembrando que poucos ficam parados lá, geralmente os casais ficam rodando entrando e saindo do parque.

O segundo é o estacionamento perto da OCA, muito tranquilo e não há voyeurs, apenas casais. Sendo que é um ponto para marcar encontros, não ficam casais ali esperando Voyuers. Neste ponto além da exibição dentro dos carros há locais para CarPark também, pois há uma região do parque onde se pode transar e exibir-se ao ar livre.

Lembrando sempre que, casais tem sinais para pararem os carros. Pisca Alerta e farol são utilizados para alertar que existe outro casal querendo brincar.

Os melhores horários todos os dias das 22:00 até fechar à meia noite, sextas, sábados e domingos é mais movimentado ou às 5 da manhã logo que o parque abre.

CERRO CORÁ

Existe uma  Praça entre a Cerro Cora e a Rua São Gualter, na Rua Japuanga, onde muitos casais se encontram para se exibir e transar o lugar é muito bom, mas com poucos voyuers e alguns Gaviões. Vale a pena conhecer o lugar. a iluminação é fraca, mas o lugar seguro, os carros ficam parados debaixo das árvores e os voyeurs circulando com seus carros, muitos taxistas frequentam o local, aliás se tem uma profissão com alto número de voyuers, são taxistas

O local é de fácil acesso e com bastante movimento, lá as coisas são mais abertas que no Ibirapuera, não é necessário marcar…embora não tenha o mesmo espaço do Ibirapuera é um local bastante agradável

Melhor horário depois da meia noite.

RUA CURITIBA

Na Rua Curitiba é um local onde vão muitos casais, existem dois pontos onde os casais e voyeurs param os carros:

O primeiro é atrás do Círculo Militar numa praça, lá ficam alguns voyeurs de carro parados esperando casais ou a chance de poder ver algo.

O segundo local é no Final da Rua Curitiba, lá sim o movimento é muito grande e as regras são respeitadas.

A noite inteira e de madrugada rola os Voyeurs e Casais na região.

MORUMBI

Ao lado do shopping Morumbi tem uma praça na Rua Oscar Rodrigues, lá é um lugar bastante simpático e agradável, mas só marcando com voyeurs ou outros casais. Mas realmente um lugar interessante.

Outro local é na Avenida que corta os Shop. Morumbi e o MarketPlace.

Quem quiser conhecer pode passar pelo local.

Melhor horário de madrugada.

VILLA LOBOS

Logo na Av. Prof. Francisco Rodrigues tem uma área com algumas barracas onde os carros param, para comer e beber ali é um excelente ponto, seguro e com espaço, vale a pena ir até lá e conferir, um pouco mais a frente fica a academia da polícia militar o que torna o lugar cheio de policiamento.

Mas também é um local, para marcar, ir lá pensando que vai encontrar pessoas se exibindo para qualquer um, não vai encontrar nada.

Mas, vale a pena o local, se tiverem oportunidade marquem lá com outros casais ou voyeurs.

Melhor horário depois da meia noite

PRAÇA DO PÔR DO SOL

Já foi um dos melhores points de Dogging, hoje já não é mais. Mesmo assim é um local cheio de casais. Vale a pena passar lá e conferir

Melhor horário de madrugada

Reinaldo Espada

Editor e Redator da Revista Swing, aficcionado em filmes, super antenado em novidades tecnológicas, adora casas de swings e encontros liberais. Forma um casal liberal com a Raissa Espada sua esposa CRS 43965 .

Um comentário em “O que é Dogging – O passeio noturno do prazer

  • agosto 9, 2017 em 2:24 pm
    Permalink

    quero ir la fuder casada na frente corninho minha pica grande grossa meu cel 17 981474708

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *