Como foi minha primeira vez no swing

Me enviaram um monte de emails para contar como foi minha primeira vez no swing, como eu vi que gostaram das minhas aventuras, toda quinta eu lembrarei de mais causos para contar para vocês, quando eu não estiver mais lembrando de nenhum a gente escolhe um casal ou solteiros leitores para viver um com a gente e podermos contar aqui, mas calma que ainda tem coisa para contar, tá bom? Então segura firme o celular com uma mão e com a outra pense em mim, tá?

Como alguns já deduziram, sim, minha primeira vez no swing foi com meu Rei o safado, cafajeste e salafrário, antes dele houveram outros, mas ele foi o único que conseguiu compreender minha essência, dentre as mulheres da minha família eu sempre fui do contra, sempre odiei o fato que tentavam me enfiar goela abaixo de que a mulher tem que lavar, passar, cozinhar e cuidar do maridinho como se fosse um bebê incapaz de levantar o rabo da cadeira.

Quando começamos nosso relacionamento, sempre conversávamos horas a fio de tudo, mas como ele é um sem vergonha, nós falávamos muito de sexo, de prazer, de orgasmo, e de desejos. O filho da puta conseguiu fazer eu confessar minhas taras, e olhem que isso foi um grande feito, pois eu era muito reservada com esse assunto, um dos desejos que eu confessei foi a vontade de transar com mais de um homem ao mesmo tempo e ele guardou essa informação muito bem, outra coisa que eu sempre notei no Rei foi o fato dele ser extremamente discreto com tudo, isso foi determinante para eu me soltar muito mais com ele.

Eu lembro que era uma sexta-feira, o Rei havia marcado depilação para mim na quinta, como era semana do meu aniversário e ele é um planejador, não vi nada de estranho no fato, mas percebia que ele estava muito empolgado, o problema é que o cidadão é empolgado naturalmente todos os dias, então ficou mais difícil diferenciar a empolgação dele, ele me agarrava, me bolinava discretamente na frente dos outros, sorria muito, enfim o Rei de sempre. Então quando deu umas 18h, ele que já havia marcado hora para mim no cabeleireiro, me avisou que estava na hora de sairmos para não perder o horário, fiquei sem entender o motivo de tudo aquilo, eu sou desconfiada para caral.. e isso ligou meu sensor contra sacana, e comecei um interrogatório para entender o que estava acontecendo, depois de muitas respostas evasivas eu percebi que devia ser algum tipo de surpresa para mim. Chegamos no salão e meu cabeleireiro biba perguntou todo animado, “e ai bicha, onde você e seu boy magia vão hoje? Toda essa superprodução está prometendo, hein? Adorooo, conta tudo…” Nesse momento eu virei para o Rei e disse, responde ai amor e ele com a maior cara de filho da puta respondeu “- eu vou levar minha Rainha em uma balada porque eu quero fazer ela rebolar a noite toda” todos rimos e logo ele anunciou que iria em casa para ir se trocando, porque sabia que eu iria demorar no salão. Assim que ele saiu nós, meninas começamos a conversar, e claro sobre qual seria o babado que meu bofe estava aprontando, e tenho que confessar que a conversa me deixou curiosa demais mesmo, a dica que ele deixou foi que queria que eu rebolasse a noite toda, cogitamos muita coisa antes dele chegar. quando foi 8:30h ele voltou ao salão. Perguntamos de novo, e ele respondeu “- hoje a gente vai para uma balada e você vai rebolar muito (risos)” pagou e fomos embora, mas no carro eu perguntei com mais firmeza, meia estressada. Ele percebendo me respondeu calmamente “Essa semana foi seu aniversário, e eu queria realizar um dos seus desejos. Você lembra quando começamos e que me contou que tinha vontade de transar com mais de um homem ao mesmo tempo? Pois então, hoje eu quero te levar para uma casa de swing, porque lá existe a chance de realizar a sua tara, se lá você não quiser fazer nada, a gente ainda pode aproveitar a noite dançando de boas e depois pegamos um motelzinho só nós.” Esse cachorro me respondeu com tanta naturalidade e calma que fiquei muda, meu corpo todinho se arrepiou e formigou, não sabia o que pensar muito menos falar e ele perguntou, “e ai amor, você topa ir nessa casa de swing?” Eu respondi, com receio “tá bom, mas não fique esperando que eu vá fazer nada, só quero matar minha curiosidade de como é dentro de uma, ok?” Ele abriu aquele sorrisão gostoso e disse “- perfeito minha Rainha, combinado. A qualquer momento que der vontade de ir embora só falar que nós vamos, tá bom?” Como já havíamos saído de uma balada minutos depois de entrar só porque eu não curti, eu sabia que ele falava sério.

Como chegamos cedo em casa, eu tive tempo bastante de escolher uma lingerie bem bonita, revirar o guarda-roupas atrás de um vestidinho, subir em um salto e fazer minha maquiagem com toda a calma do mundo.

Eu estava ficando muito nervosa, muito ansiosa e o Rei veio e me avisou que teríamos um possível encontro com um outro casal, nossa que filho da puta nem me avisou, nem perguntou se eu estava afim e já foi marcando, mas ok, eu ainda queria ir. Eram 23h e estávamos chegando na casa, eu estava com um vestidinho curtinho, um salto meia pata de 13,5cm, e uma lingerie preta e linda de fio dental, o Rei ficou tarado demais, foi todo o caminho me bolinando, e para me acalmar compramos uma big apple e eu fui fazendo o esquenta até chegar na casa. Quando a gente chegou eu já estava ficando altinha, demos nosso nome e entramos. Lá dentro havia uma pista de dança com bastante gente dançando, nisso o Rei que já estava tentando achar o casal que havia combinado de encontrar, quando nos viram abriram um sorriso amistoso, e logo sentamos para bebericar e conversar, o clima estava tão gostoso que eu fui me soltando, rimos bastante, e fizemos amizade mesmo, quando fui ao banheiro junto com a minha mais nova amiga, os macho de plantão mexiam, falavam gracinhas e sem perceber fui ficando muito excitada mesmo, a essa altura minha amiga que estava muito bêbada, me perguntou se eu já havia beijado meninas, eu respondi que não então ela me perguntou se eu tinha vontade, eu não consegui responder, ela me puxou pela bunda, me agarrou e me beijou, nossa eu fiquei doida de tesão. Depois de ir ao banheiro e ser bolinada pela minha amiga, quando chegamos na mesa eles disseram que queriam ir para o labirinto para ver o que estava acontecendo por lá, o Rei aceitou na hora, eu fiquei meio receosa, então ele ao perceber disse para irem na frente que nos encontraríamos lá, ele me perguntou se estava tudo bem, se eu gostaria de ir embora, eu ainda cheia de tesão tentei avisá-lo que eu estava bêbada e que não responderia por mim se a gente fosse para o labirinto, ele abriu aquele sorrisão de canalha que só ele tem e me falou “- perfeito, é assim que é bom, prefere aquecer antes de entrar?” eu não havia entendido o que ele estava tentando dizer e apenas concordei, o vagabundo abordou um rapaz muito gostoso que estava tomando um drink do nosso lado e disse “- amigo, você pode beijar minha mulher para deixar ela relaxada?” quando eu ouvi aquilo eu achei um absurdo, como esse porra decidiu me entregar nos braços desse gostoso sem saber se eu queria, e olha que eu quis, o rapaz me beijou tão gostoso, que esqueci de tudo, minha mente queria parar, mas meu corpo não obedecia, eu estava envolvida nos braços dele, enquanto ele me alisava a bunda, me puxava para junto, quase me comendo ali mesmo, quando eu senti o Rei me encoxando e me espremendo entre duas rolas muito duras, Ain a perna ficou bamba, comecei a sentir um calor, o corpo formigou e arrepiou todinho com esses dois filhos da puta me possuindo daquele jeito ali, quando parei de beijar, o solteiro entendeu que eu queria espaço, pedi uma garrafinha de água e bebi como se estivesse no Saara. Foi uma mistura de raiva e tesão que eu nunca havia sentido antes, acho que ele acessou meu lado mais selvagem naquele momento, com raiva ainda eu falei “- Ah, você quer me levar para o labirinto para deixar os tarados se aproveitarem de mim, né? Então vamos lá seu cachorro, vamos ver se tu aguenta!” Ele me deu a mão e me conduziu até o labirinto.

Era um breu que tornava muito difícil enxergar, quanto mais fundo íamos no escuro, mais alto ficava o som das pessoas transando, o cheiro de sexo espalhado no ar e isso me deixava com muito tesão, minha bucetinha estava molhada e eu estava sendo bolinada enquanto passávamos pelos corredores, até que encontramos uma sala com luz vermelha bem fraquinha e tinha uma mesa de bilhar, a sala estava vazia, o Rei me puxou para dentro da sala, e começou a me beijar e acariciar e tentar levantar meu vestidinho, eu estava tarada já, comecei a gemer com o prazer que eu estava sentindo, minha respiração eu já nem controlava mais, quando eu notei alguém nos observando de longe, sem dar nenhum passo em nossa direção, que delícia, eu me exibi igual uma fêmea no cio enquanto beijava o Rei, coloquei a mão por dentro da calça do Rei e puxei a rola dele para fora abaixei e comecei a chupar, eu estava me sentindo uma puta, uma safada e estava adorando isso, eu queria mais, quando senti o solteiro perto da gente com a rolona dura dele para fora se posicionou do lado do meu amor e tentou fazer eu chupar, mas eu ainda não estava pronta ainda, o solteiro começou a passar a mão ma minha bunda, puxou minha calcinha para o lado, me deixando todinha arrepiada e passou a mexer na minha buceta fazendo eu sentir muito prazer, o dedo dele escorregava para dentro de tão molhada que eu  estava, meu corpo tremia de nervoso, não sabia o que fazer, mas eu queria muito chupar aquela rola que não era do meu amor, eu via ela pulsando para mim, e querendo ser possuída. Minha vontade era muita, eu olhei para cima e dei um sorrisinho de vagabunda para o Rei que entendeu o recado e empurrou meu rostinho para rola do outro macho, eu não estava acreditando ainda que ele teve mesmo coragem de me ver chupando outra pessoa, eu estava adorandoooo, me senti no controle, os dois me pertenciam, ain que delícia,

Enquanto eu chupava o solteiro tarado, o Rei veio por trás de mim, e colocou a pica na portinha da minha bucetinha, enlouqueci e empurrei a buceta na rola dele, soltando um gemido muito gostoso de prazer, o Rei bombava minha buceta com vontade, me dava tapas na bunda, me chamando de puta, de cachorra, de safada e mandava eu engolir a rola toda do solteiro, quanto mais ele bombava, mais eu gemia, mais eu engolia a rolona do tarado, até que eu ouvi ele pedindo permissão para o Rei “deixa eu foder essa putinha também?”, aquela situação me deixou alucinada de prazer, eu estava atacando os meninos, ao ouvir isso, me levantei,  enquanto ele colocava a camisinha e subi na mesa de bilhar, e urrei “vem me comer seus putos, vem que hoje que quero rola” os dois subiram na mesa de bilhar, o single deitou-se e me colocou para cavalgar na rola dele, o Rei ficou de pé sobre a mesa para me dar o que chupar, e outros curiosos foram entrando na sala, eu sentia mãos apertando meios seios, dedos molhados entrando no meu cuzinho, a rola grossa daquele safado enchendo a minha buceta, outros casais começando a transar também , os barulhos, os gemidos, os cheiros, os sons dos tapas. E aquele calor que tomava mais e mais conta de mim, os arrepios constantes agora, os formigamentos e o suor que agora pingava, e eu completamente nua sobre a mesa, meu vestido pendurado no pescoço do meu amor, ain aquele solteiro vagabundo começou a apertar meu pescoço e bombar forte por baixo de mim, e eu gemia cada vez mais alto sem me importar com mais nada. Lembro que eu falava entre gritos e gemidos “- quero rolaa, vai mete, mete seus filhos da puta, come gostosooo, e não pára que eu quero goza” senti um tapinha na cara, e virei puta, cachorra, piranha, vadia, vagabunda entre outras coisas, o solteiro judiando da minha buceta, um monte de gente me alisando e eu vi o Rei sendo atacado por uma vagabunda, safada e não aguentei de tesão, gozei,  e gozei gostoso na rola daquele canalha, quando o Rei viu que eu estava exausta e tinha terminado, ele largou tudo e veio me acudir, me proteger, me cobrir, afastar os gaviões e falar sai que essa safada tá comigo, nossa como eu amei ser cuidada , eu tinha acabado de ter uma das experiências mais intensas da minha vida, e ao final ele estava lá para cuidar de mim.

Depois que me recompus nós voltamos para o labirinto mais uma vez para apenas observar a movimentação, encontramos nossos amigos no meio de uma muvuca frenética, alisei e beijei um pouco, mas logo fomos embora. No caminho para casa não consegui parar de pensar naquela transa deliciosa que tinha acabado de ter, ai não teve jeito, dei para o Rei no meio da rua. Depois eu conto como foi para vocês, tá?

 

Esse foi um relato da Rainha de Espadas
Compartilhe com os amigos. Isso está nos ajudando bastante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *